segunda-feira, 21 de agosto de 2017

Processamento auditivo em gagos


A fluência verbal pode ser definida como a fala de fluxo contínuo e suave decorrente de uma integração harmônica entre os processamentos neurais envolvidos na linguagem e no ato motor.

Para que a fala seja fluente os sistemas simbólicos e de sinais, devem estar equilibrados temporalmente antes que a mensagem gerada chegue ao córtex motor. Se estes sistemas desequilibram-se o fluxo da fala é temporariamente rompido, gerando as disfluências.

Assim, a disfluência é um distúrbio que ocorre no momento da produção da fala, na qual o falante se depara com um impedimento que o impossibilita, momentaneamente, de produzir a palavra que deseja falar.

Existe uma redução na habilidade de produção dos padrões de percepção auditiva em indivíduos gagos, quando comparados aos não gagos. A imprecisão temporal na percepção de fala pode levar a momentos de disfluência e a diminuição das habilidades de processamento pode estar relacionada à incapacidade de manutenção da fala fluente.

Denomina-se processamento auditivo (PA) o conjunto de habilidades específicas das quais o indivíduo depende para interpretar o que ouve. Quando o indivíduo perde parcialmente ou totalmente a função da análise das imagens auditivas, estamos diante de um distúrbio do processamento auditivo.

O PA pode ser um dos fatores que contribuem para a produção do discurso disfluente no nível da produção da sílaba. A relação entre a fluência verbal e a alteração do processamento auditivo não é um fenômeno relacionado somente à gagueira ou não gagueira, mas também um fenômeno normal de fluência e não fluência.

Existe a hipótese de que os indivíduos com gagueira possuem alteração na dominância cerebral da função da linguagem. Investigações realizadas sobre o desempenho das orelhas direita e esquerda em testes comportamentais do PA em indivíduos gagos revelam que a orelha direita geralmente apresenta melhor desempenho do que a orelha esquerda nos diferentes testes comportamentais com sons verbais (Andrade et al., 2008).

Desta forma, é imprescindível que o Fonoaudiólogo inclua a avaliação do Processamento Auditivo entre as avaliações visto que há evidências científicas de alterações do processamento auditivo associadas a gagueira.




ANDRADE, Adriana Neves deGIL, DanielaSCHIEFER, Ana Maria  and  PEREIRA, Liliane Desgualdo. Processamento auditivo em gagos: análise do desempenho das orelhas direita e esquerda. Rev. soc. bras. fonoaudiol. [online]. 2008, vol.13, n.1, pp.20-29.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seguidores