quarta-feira, 22 de junho de 2016

Atraso de linguagem X Distúrbio de linguagem: Como diferenciar?




     Como você sabe quando uma criança tem um atraso ou um distúrbio de linguagem? Infelizmente, o que eu posso dizer é que nem sempre há uma resposta simples para esta pergunta!!
     Como sabemos, cada criança é única e afetada por fatores intrínsecos (ou seja, biológicos, como história familiar, peso ao nascimento, e / ou complicações pré-natais ou perinatais) e extrínsecos (ou seja, ambiental, incluindo o acesso aos cuidados de saúde, residência estável, etc). Cada criança encontra cada etapa do desenvolvimento de uma forma peculiar depois de experimentar diversas práticas. No entanto, existe definido as etapas de aquisição e desenvolvimento de fala e de habilidades linguísticas! Quando o desenvolvimento não é alcançado, ou obtido a uma taxa mais lenta do que esperado para a idade cronológica, questionamentos referentes ao desenvolvimento de fala e linguagem devem ser feitos!
     Um atraso de linguagem pode ser considerado um processo “mais lento” na aquisição de competências linguísticas em comparação com seus pares (mesma idade cronológica e intelectual). Uma criança com um atraso de linguagem pode apresentar um início mais lento do uso de uma habilidade de linguagem, atraso na taxa de progressão do processo de aquisição, atraso na sequência em que as competências linguísticas são aprendidas, ou todas as anteriores.
     Geralmente, o atraso de linguagem precoce pode ser caracterizado por menos de 50 palavras em 24 meses, algumas combinações de palavras em 30 meses, o uso limitado de gestos e sons para se comunicar, o jogo simbólico limitado, limitada compreensão do significado da palavra e incapacidade de seguir instruções verbais. Aproximadamente 50 a 70 % dessas crianças supostamente alcançarão as outras crianças e demonstrarão o desenvolvimento da linguagem normal, pré-escolar e escolar. No entanto, há um grupo de crianças que continuarão a demonstrar dificuldades persistentes na aquisição e utilização de competências linguísticas abaixo das expectativas para a idade cronológica que não podem ser explicados por outros fatores (por exemplo, baixa inteligência não-verbal, deficiências sensoriais ou transtorno do espectro do autismo) e pode ser identificada como tendo um distúrbio específico de linguagem.
     A Associação de Fonoaudiólogos dos EUA (ASHA) define o distúrbio de linguagem como um prejuízo significativo na aquisição e uso da linguagem através modalidades (por exemplo, a fala, linguagem gestual, ou ambos), devido a déficits na compreensão e / ou de produção em qualquer um dos cinco domínios (ou seja, fonologia, morfologia, sintaxe, semântica, pragmática). Segundo a ASHA, os distúrbios de linguagem são heterogêneos, e a natureza e gravidade dos distúrbios podem variar consideravelmente.
    Então, quais são as opções para lidar com atrasos e distúrbios de linguagem?

     Intervenção para um atraso de linguagem pode assumir várias formas:

1) Tratamento indireto e acompanhamento: Proporcionar atividades para pais e cuidadores para se envolver com a criança, tais como a leitura de livros e grupos de interação entre pais e filhos. Além disso, check-up com a família periodicamente para acompanhar o desenvolvimento da linguagem.

2) Intervenção direta, inclui: Atividades elaboradas pelo Fonoaudiólogo, geralmente desenvolvidas com a criança em consultório.

     Intervenção para um distúrbio específico de linguagem é com base no nível atual da criança quanto ao funcionamento da linguagem, perfil de pontos fortes e fracos e do funcionamento em “áreas afins”, incluindo audição, nível cognitivo e habilidades de produção da fala. O objetivo global da intervenção é estimular o desenvolvimento da linguagem e ensinar habilidades para melhorar a comunicação e acesso ao conteúdo acadêmico.

     Se você suspeitar de um atraso ou distúrbio de linguagem, é fundamental buscar a experiência de um Fonoaudiólogo para garantir a observação e intervenção adequada conforme necessário!!

     Abaixo deixo algumas referências que valem a pena a leitura!

American Speech-Language Hearing Association. Spoken Language Disorders. (Practice Portal). Retrieved 15/6/2016 from www.Practice-Portal/Clinical-Topics/Spoken-Language-Disorders.
Vinson, B.P. (2012). Preschool and School-Age Language Disorders. Clifton Park, NY: Delmar Cengage Learning.






Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seguidores