terça-feira, 17 de outubro de 2017

Toda criança que não aprende tem algum problema?



Infelizmente, dentro da nossa cultura educacional, a criança que tem dificuldades para aprender sempre é vista como tendo algum problema em nível individual, como se ela sempre fosse a culpada pelas limitações que possa apresentar. Porém, esta crença não corresponde à verdade. Estima-se que apenas cerca de 10% das crianças possam ter algum tipo de problema intrínseco, que possa prejudicar a aprendizagem, como nos casos, por exemplo, de dislexia, discalculia, deficiência mental ou autismo. Na realidade, a maior parte das crianças que estão com dificuldades de aprendizagem podem estar refletindo problemas de outra natureza, como limitações nas oportunidades para aprender, déficits pedagógicos ou metodológicos, problemas de natureza socioeconômica e assim por diante. É importante saber distinguir os verdadeiros e os falsos problemas de aprendizagem, uma vez que eles podem se manifestar de modos semelhantes. O fonoaudiólogo educacional, juntamente com a equipe educacional, colabora com a identificação precoce dos verdadeiros problemas de aprendizagem.

quarta-feira, 11 de outubro de 2017

O Cloze como Técnica de Diagnóstico e Remediação da Compreensão em Leitura



A deficiência em compreensão em leitura tem sido apontada como um dos principais obstáculos para a efetivação do processo de ensino-aprendizagem. Inúmeras pesquisas têm demonstrado a importância da compreensão em leitura para um desempenho escolar bem sucedido.

Alguns aspectos relacionados ao texto têm sido apontados como fatores que interferem na sua compreensão e comprometem o desempenho escolar. Entre eles, os mais frequentes são o uso de palavras incomuns, o número de sílabas utilizadas, o tamanho das sentenças, a presença de categorias gramaticais mais difíceis, a complexidade da estrutura gramatical e a complexidade das ideias nele contidas.

Vários autores chamam a atenção para as características dos leitores que seriam “dificultadoras” da compreensão da leitura. Entre elas, destacam-se as falhas no processo de decodificação, as carências de vocabulário, leitura oral pobre, deficiência de integração das informações e de memória, falta de estratégias de aprendizagem adequadas.

Outro aspecto relevante que tem sido ressaltado refere-se à falta de motivação para a leitura, outra característica frequentemente associada aos maus leitores. Verifica-se que um círculo vicioso é estabelecido, visto que aqueles que têm dificuldade para ler evitam as situações de leitura. Dessa forma, não conseguem obter a prática necessária para ler fluentemente, o que leva à diminuição da motivação e à relutância para a leitura. Tal situação ocorre em todos os níveis de escolarização.

Estudos estrangeiros têm demonstrado que a escola não tem atuado como fonte de incentivo para o desenvolvimento adequado do comportamento de ler. No Brasil a situação também não é diferente e os estudiosos da área têm chamado a atenção para o pouco que a escola contribui para o desenvolvimento do interesse pela leitura, bem como para a formação do leitor. Na maioria das vezes, a leitura feita na escola é utilizada apenas como recurso para o ensino gramatical e o treino ortográfico, predominando o distanciamento de tais práticas com o contexto da vida do aluno.

O sucesso na aprendizagem da leitura e da escrita, bem como a posterior autonomia na leitura tem sido associada à interação dos pais com a escola e, especialmente, com o envolvimento deles nas práticas cotidianas de letramento. Particularmente a leitura de histórias infantis pelos pais tem se mostrado como um evento relevante para o interesse da criança por atividades de leitura e ao sucesso escolar.

No entanto, o que se observa é que as crianças passam pela escola sem ganhar o necessário domínio da leitura. Considerando que a escola é a instituição formalmente incumbida de fornecer às pessoas o acesso às diferentes fontes de informação, garantindo-lhes o necessário crescimento intelectual e experiencial, é lamentável verificar-se que tal papel não vem sendo adequadamente cumprido. Assim, a busca de soluções alternativas que melhorem a qualidade do ensino ministrado nas escolas é urgente e deve ser direcionada para a conciliação das práticas educativas vigentes com as mais recentes contribuições da ciência, com o aproveitamento de recursos que podem ser facilmente utilizados pelos professores e que sejam economicamente acessíveis.

Nessa direção, o procedimento de Cloze tem se destacado pela sua utilidade tanto para o diagnóstico como para o desenvolvimento da compreensão em leitura. Além de unir os aspectos de praticidade e economia de tempo e recursos, várias pesquisas têm demonstrado sua eficácia no alcance dos objetivos pretendidos.


O Cloze como técnica de diagnóstico e desenvolvimento da compreensão em leitura

Tal como proposto por Taylor em 1953, o Cloze consiste na organização de um texto, do qual se suprimem alguns vocábulos e se pede ao leitor que preencha os espaços com as palavras que melhor completarem o sentido do texto. A preparação do texto de Cloze segue regras que variam em função do objetivo para o qual ele será utilizado. Mais frequentemente são usados como parâmetros a omissão sistemática de palavras num sistema de razão, por ex. todo 5º, 7º ou 10º vocábulo, a supressão de uma dada categoria gramatical (adjetivos, substantivos, verbos, entre outras) ou ainda a omissão aleatória de 20% dos vocábulos do texto.

A maioria dos estudos se vale de uma dessas regras, dentre outras, para a organização do texto de Cloze, havendo também diferenças em relação a sua apresentação. Geralmente é apresentado por escrito, sendo a palavra suprimida substituída por um traço, que poderá ser de tamanho sempre igual, tal como proposto inicialmente por Taylor (1953), ou ainda por um traço proporcional ao tamanho da palavra omitida, como sugerido por Bormuth (1968), justificando que dessa forma os resultados obtidos apresentariam umíndice mais alto de correlação com outras medidas de compreensão em leitura.

Desde que foi introduzido, o procedimento de Cloze tem sido utilizado como material em pesquisas diversas. Assim, pesquisadores da área têm recorrido a esse instrumento para avaliar a influência da posição sintática das palavras na sentença, bem como o valor do conhecimento prévio na compreensão oral e escrita.

Ao lado disso, pesquisas sobre a legibilidade de textos e suas características linguísticas tem sido objeto de interesse dos estudiosos do tema e consideram que o emprego do Cloze como técnica de desenvolvimento da habilidade de leitura está pautado na visão da compreensão como um processo que exige a interação entre o leitor e o escritor do texto, na forma de um contrato implícito entre o esforço do autor para se comunicar e o do leitor em entender a mensagem. Essa natureza interativa do processo de compreensão salienta a importância das pistas gramaticais e semânticas do texto, bem como dos padrões de linguagem e do conhecimento prévio sobre o assunto. Assim, o Cloze, como tarefa que envolve tanto as expectativas do leitor como as pistas do texto, tem sido visto como um instrumento apropriado para a avaliação e o desenvolvimento da compreensão em leitura.

Abaixo deixo algumas sugestões de leitura e materiais para a intervenção:

Artigos:

Mota MMPE, Santos AAA. O Cloze como instrumento de avaliação de leitura nas séries iniciais. Revista Quadrimestral da Associação Brasileira de Psicologia Escolar e Educacional, SP. Volume 18, Número 1, Janeiro/Abril de 2014:135-142.

Santos AAA. O Cloze como Técnica de Diagnóstico e Remediação da Compreensão em Leitura. Interação em Psicologia, 2004, 8(2), p. 217-226.

Santos AAA, Sisto FF, Noronha APP. TONI 3 - Forma A e Teste de Cloze: Evidências de Validade. Psicologia: Teoria e Pesquisa Jul-Set 2010, Vol. 26 n. 3, pp. 399-405.

Livro para intervenção:

Alliende F, Condemarin M, Chadwick M, Milicié N. Compreensão da leitura (volumes 1, 2, 3) - Fichas para o desenvolvimento da compreensão da leitura. Editorial Psy II.


quinta-feira, 5 de outubro de 2017

Exercício download gratuito: “Memória de Elefante”


Oi!

Quero compartilhar com você Fonoaudiólogo o exercício "Memória de Elefante" para treinamento da memória verbal! É muito comum encontrarmos na nossa prática clínica casos envolvendo dificuldades de armazenamento e processamento de informações na memória verbal. Casos que envolvem dificuldades na compreensão da linguagem oral, vocabulário receptivo e expressivo abaixo do esperado, dificuldades em tarefas de consciência fonológica e de julgamento gramatical. Se você tem casos com estas características, estes exercícios poderão te auxiliar no melhor delineamento da conduta terapêutica.

Como é composto o “Exercício Memória de Elefante”?

Um pdf com as orientações, 16 variações de exercícios, 8 desafios auditivos e 8 faixas de áudios.

Qual faixa etária o “Exercício Memória de Elefante” é indicado?

O exercício "Memória de Elefante" permite que você utilize-o em crianças, adolescentes e adultos, mas antes é preciso que você leia atentamente o "Suporte Teórico e Normatizações Brasileiras" (disponível no pdf) antes de utilizá-lo com o seu paciente!

Quem pode baixar este exercício?

Este material somente será disponibilizado para Fonoaudiólogos em respeito ao código de ética da Fonoaudiologia (Seção II – Redes Sociais, art. 40, parte VI)!

Como baixar este exercício “Memória de Elefante”?

Fonoaudiólogos cadastrados no blog receberão automaticamente um e-mail para baixar as atividades de forma gratuita.

Se você deseja receber esta atividade e ainda não é cadastrado no blog faça as duas etapas seguintes:

1ª) Acesse o blog http://pollyannabatistafonoaudiologa.blogspot.com.br/ e cadastre seu e-mail (Digite seu e-mail na parte superior a direita. Instantaneamente você receberá o e-mail “activate your email subscription”. É preciso que você o abra e clique no link enviado para validar o seu e-mail).

2ª) Depois envie um e-mail para pollyannabatista@hotmail.com com o seu nome completo e número de registro no conselho de Fonoaudiologia com o referido assunto: “Exercício Memória de Elefante”. Pronto! Um e-mail com o exercício será direcionado para a sua caixa de entrada!

Desejo imensamente que este exercício possa auxiliá-lo e contribuir com o sucesso de seu paciente! Se este exercício for útil para você deixe um comentário abaixo!


Positiva terapia!

quarta-feira, 27 de setembro de 2017

Workshop para adolescentes – Evento gratuito



Ei!

Hoje quero compartilhar com vocês o workshop para adolescentes que acontecerá sábado, dia 30/09, a partir das 10 horas!

O evento é gratuito e permitirá o adolescente vivenciar experiências significativas de aprendizagem. O evento será conduzido pela neuropedagoga Ana Paula Antoniali que é referência no assunto.

O workshop será na Rua Grão Mogol, 333, sala 24, Sion. Para participar é preciso confirmar a presença pelo telefone: 997376739 ou 25100035! 


terça-feira, 26 de setembro de 2017

Dificuldade de aprendizagem: o que é e o que não é!


Você sabia que um em cada quatro brasileiros pensa que as “dificuldades de aprendizagem” são causadas por assistir muita TV? (Não são.) Uma pesquisa recente perguntou a 1.980 adultos o que eles sabem e pensam sobre as dificuldades de aprendizagem.

A maioria das pessoas concorda que a dificuldade de aprendizagem é uma preocupação crescente. No entanto, muitos ainda têm crenças equivocadas sobre o assunto. Para ajudar a esclarecer isso, aqui estão cinco fatos sobre “dificuldades de aprendizagem”.

1. Crianças com dificuldades de aprendizagem têm problemas com base “no cérebro”, e não problemas de motivação.

Em 2010, um estudo perguntou às pessoas o que elas pensam sobre as dificuldades de aprendizagem. Mais de metade disseram acreditar que é o resultado da preguiça.

Crianças com dificuldades de aprendizagem não são preguiçosas. A questão é que o cérebro delas processa a informação de forma diferente e menos eficaz. Há dificuldades para se concentrar e dar sentido a linguagem, palavras e números escritos. Simplesmente tentar mais não ajuda!

Felizmente, o cérebro em desenvolvimento tem uma qualidade conhecida como "plasticidade". Não está claro se o cérebro pode ser "re-treinado" para processar informações de forma mais eficiente. Mas com diferentes tipos de instrução e suporte, as crianças podem trabalhar em torno de suas fraquezas e aprender de maneiras diferentes.

2. Crianças com dificuldades de aprendizagem crescem para serem adultos com dificuldades de aprendizagem.

As pessoas não "superam" as dificuldades de aprendizagem. No entanto, elas têm uma boa chance de sucesso quando recebem o suporte certo. Isso inclui uma intervenção apropriada na escola e ajuda na transição da escola para a faculdade ou formação profissional. O apoio baseado na comunidade fora da escola também é útil.

3. Crianças com dificuldades de aprendizagem são "tão inteligentes quanto você e eu".

Não só isso é verdade, mas a boa notícia é que 80% das pessoas sabem disso. Muitas pessoas com dificuldades de aprendizagem têm inteligência média ou acima da média. Muitos também são muito criativos e fazem coisas incríveis na vida.

4. Nem todas as crianças com dificuldades de aprendizagem tem dislexia.

A dislexia (“dificuldade na leitura”) é o tipo mais conhecido dos transtornos de aprendizagem. Mas é apenas um dos muitos. Existem também formas de distúrbios de aprendizagem que afetam habilidades matemáticas (discalculia) ou habilidades de escrita (disgrafia). Outras preocupações, como o TDAH e problemas de comunicação social, muitas vezes ocorrem concomitantemente com o transtorno de aprendizagem.

5. Crianças com dificuldades de aprendizagem "lutam" além da escola.

Quando a palavra "aprender" aparece, é fácil assumir que a escola é o único ponto problemático.

A verdade é que muitas crianças com dificuldades de aprendizagem também têm dificuldades com as habilidades sociais. Algumas têm problemas para ler a linguagem corporal. Outros acham difícil seguir conversas ou controlar seu comportamento impulsivo. As dificuldades de aprendizagem também afetam a vida diária, como se manter organizado, administrar dinheiro e ler mapas e relógios.


Se o seu filho tiver dificuldades de aprendizagem, provavelmente você sabe muito bem o que eu acabei de explicar. Você também percebe que outras pessoas não sabem tanto sobre dificuldades de aprendizagem quanto você esperaria. Enfim, as dificuldades de aprendizagem podem não ser tão visíveis quanto outros problemas de saúde, mas são REAIS!


sexta-feira, 22 de setembro de 2017

Edutech BH - 1ª Edição



Olá Fonos, Pais e Amigos que acompanham o blog!

Hoje quero compartilhar com vocês sobre o EduTechBh que acontecerá no dia 30/09, sábado, das 9 às 12 h aqui em Belo Horizonte!

O EduTechBH é um encontro para pais, educadores e crianças discutirem e vivenciarem o encontro da Tecnologia com a Educação. Serão palestras de 15 minutos com especialistas em Educação e Tecnologia, e diversas oficinas de 50 minutos nas áreas de Robótica, Programação de Computadores, Língua Inglesa, Ciência e Tecnologia e Incentivo à Leitura.

Confira algumas palestras do evento:

1) O Futuro da Educação: robótica, pensamento computacional e atitude maker 

2) Os efeitos dos Jogos Violentos nas crianças e jovens 

3) Educação e Criatividade: O ensino da robótica como linguagem de prototipação de ideias


Haverá também oficinas e clube de leitura! 

No link www.edutechbh.com.br você poderá ter mais informações e acesso a programação completa!


terça-feira, 19 de setembro de 2017

Técnica da janela



A técnica da janela pode ser utilizada para escolares de todas as idades e com níveis variados de dificuldades de leitura. A técnica é realizada por meio de uma regra, que tem um espaço em branco/lacuna e uma faixa de papel que vai passando pela linha do texto a ser lido. Para pacientes com dificuldades na leitura de sílabas, sugere-se inicialmente que a técnica seja utilizada dentro de frases e, posteriormente, em textos. Se o paciente apresentar um padrão de leitura silabado, o terapeuta deverá “abrir” o espaço da regra para visualizar apenas as sílabas, posteriormente fechar e abrir a lacuna e solicitar a leitura da palavra como um todo. Se o paciente apresentar dificuldade na decodificação de palavras (palavras de baixa frequência, irregulares e/ou palavras com sílabas complexas), o terapeuta deverá “abrir” o espaço da régua e solicitar a leitura das palavras ao longo do texto. No caso do paciente apresentar velocidade lentificada de leitura, poderá “abrir” o espaço da régua para visualizar um conjunto de palavras, dependendo da dificuldade do paciente, abrindo um conjunto de duas, três ou quatro palavras. Conforme a velocidade e a precisão da leitura aumentar, o terapeuta poderá “abrir” o espaço da régua para visualização de frases, até que o paciente não necessite mais do apoio.

Régua para treino de fluência de leitura.

*Estas orientações/informações deverão ser utilizadas por um fonoaudiólogo e jamais deverão ser utilizadas sem a orientação deste profissional.

Fonte: Planos Terapêuticos Fonoaudiológicos (volume 2), p. 232, Pró-Fono, 2015.

Seguidores